Agro deve se preparar para mudanças climáticas e produzir com sustentabilidade

05/10/2023

POR ELAINE PINTO

Compreender os desafios impostos pelas mudanças climáticas e como produzir alimentos neste cenário, com sustentabilidade, foi o tema das palestras de abertura do 12º Salão de Iniciação Científica e Tecnológica (Sicit), o 7º Wokshop de Pós-Graduação e a Mostra de Pesquisa, nesta quarta-feira (4/10). O evento continua até quinta-feira (5/10), com 45 apresentações orais de trabalhos ligados ao setor agropecuário.

A primeira apresentação foi feita pelo professor Francisco Aquino, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e membro do Programa Antártico Brasileiro. Ele abordou como as condições climáticas globais, especialmente no Rio Grande do Sul, estão sujeitas ao delicado equilíbrio entre as condições na Antártica e o fluxo de “rios aéreos” da Amazônia e do Cerrado.

“A estação que recém terminou foi o inverno mais quente para o Hemisfério Sul e o verão mais quente para o Hemisfério Norte. Há excessos, eventos extremos em todos os continentes, em escala global. Os dez anos mais quentes da história são todos das últimas duas décadas”, elencou.

Conforme Aquino, a Antártica é a maior massa de gelo continental da Terra, sendo responsável por arrefecer as temperaturas dos oceanos e da atmosfera terrestre. “Este ano, o gelo marinho da Antártica bateu recordes de redução de extensão. Além disso, durante o inverno, não houve formação de mais áreas de gelo, o que deveria ocorrer”, contou.

O Rio Grande do Sul, por sua posição geográfica, é palco para atuação desses eventos, com mais ou menos intensidade. “O Estado está ficando mais quente, mais tempestuoso, chove mais, mas em locais concentrados, causando mais danos. Anomalias de temperaturas mais marcadas estão mais presentes no nosso cotidiano”, relatou o professor.

Para Francisco, a melhor tecnologia para enfrentar as mudanças climáticas é preservar a natureza. “É preciso recuperar urgentemente as áreas degradadas e inovar: toda vez que a humanidade é confrontada com um desafio, ela inova”.

Ele desconstrói a ideia de que crescimento agropecuário só é possível com desmatamento. “A economia no Brasil não teve nenhum problema de crescimento causado pelas ações de enfrentamento ao desmatamento, pelo contrário. É uma depredação ambiental desnecessária, que nos está tirando água e biodiversidade, que está impactando nossa agropecuária e nos impedindo de cumprir nosso papel como grande produtor agrícola”, finalizou.

Políticas conservacionistas e produção sustentável

Auditor fiscal agropecuário Elvison Ramos falou sobre políticas conservacionistas e sustentáveis na agropecuária
Auditor fiscal agropecuário Elvison Ramos falou sobre políticas conservacionistas e sustentáveis na agropecuária
- Foto: Reprodução Internet

O coordenador substituto do Planejamento para Conservação do Solo e Água do Ministério da Agricultura, auditor fiscal federal agropecuário Elvison Ramos, falou sobre políticas conservacionistas dos recursos naturais para uma produção agropecuária mais sustentável – com destaque para o Plano ABC+.

Ao mesmo tempo em que há o cenário de mudanças climáticas, a projeção da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) é de que a produção agropecuária precisará crescer 60% até 2050, para garantir segurança alimentar ao contingente populacional projetado para a Terra no período, de 9,7 bilhões de pessoas.

“O Brasil é o país do mundo com o maior incremento na produtividade agrícola, e naturalmente há uma expectativa global sobre nós. Mas temos nossos desafios internos: como crescer nossa produção de forma sustentável e fortalecer a segurança alimentar num país de dimensões continentais, e muito diverso”, destacou Elvison.

O Plano ABC+ estimula a adoção de tecnologias mitigadoras de emissão de carbono na agropecuária, com ganho de produtividade. O objetivo é promover a adaptação da agropecuária brasileira às mudanças do clima e a mitigação das emissões de gases do efeito estufa, com aumento da eficiência e resiliência dos sistemas produtivos, por meio da gestão integrada da paisagem.

“Não estamos mais falando apenas de sistemas produtivos, temos que conectá-los aos outros ambientes. Por isso falamos em gestão integrada da paisagem: é o sistema produtivo, junto com as áreas de proteção permanente e as reservas legais”, explicou.

Entre os benefícios do uso das tecnologias do ABC+, estão: maior sequestro de carbono e redução da emissão dos gases do efeito estufa; redução da necessidade de novos desmatamentos; recuperação da qualidade e da capacidade produtiva do solo; redução da erosão e do escoamento superficial da água; maior infiltração da água da chuva no solo; menor evaporação da água do solo; baixa incidência de pragas, com menor uso de agrotóxicos; diversificação da produção e minimização dos riscos climáticos e de mercado; bem-estar animal, devido ao microclima gerado pelo componente arbóreo; tecnologia adaptada a produtores rurais de qualquer escala; e aumento da fixação de carbono, maior concentração de matéria orgânica no solo e enriquecimento da microfauna do solo.

As palestras de abertura podem ser assistidas aqui.

As apresentações orais do 12º Sicit continuam na tarde desta quarta e todo o dia na quinta-feira (5/10). Acompanhe pelos links de transmissão dos turnos de apresentação:

> Grade de Apresentações XII SICIT


Fonte: Secretaria da Agricultura/RS

https://www.agricultura.rs.gov.br/agro-deve-se-pre...

MATRIZ

Tupanciretã - RS

Av. Padre Roque Gonzales, S/Nº, 98170-000

agropan@agropan.coop.br

55 3272-8900


Desenvolvido por BRSIS